Casal desabafa após câmera escondida flagrar intimidades: ‘Aterrorizada’ | Santos e Região

Caso ocorreu em um condomínio na Ilha Porchat, em São Vicente, SP (Foto: Reprodução)

Caso ocorreu em um condomínio na Ilha Porchat, em São Vicente, SP (Foto: Reprodução)

O casal de turistas que encontrou uma câmera escondida dentro do quarto de um apartamento alugado em São Vicente, no litoral de São Paulo, afirma estar constrangido e assustado por ter a intimidade violada. A preocupação dos jovens é com o possível vazamento de um vídeo onde os dois aparecem mantendo relações amorosas, já que o equipamento, que estava ligado, transmitia imagens, em tempo real, para o dono do imóvel. A polícia está investigando o caso.

A arquiteta, de 28 anos, e o analista de sistemas, de 27, são moradores da região do ABC paulista e aproveitavam as férias em um apartamento na Ilha Porchat. Eles encontraram a câmera após perceberem luzes piscando por trás de um espelho. Assustados e preocupados com a possibilidade de terem sido gravados, os turistas logo desligaram o equipamento e o retiraram do local. Instantes depois, o proprietário do local ligou para o casal questionando se ‘havia algum problema’.

Em seguida, os jovens falaram sobre a câmera e o responsável alegou que a instalação era uma medida de segurança e que era mencionada no site de reservas. O casal, porém, garantiu aos policias que não havia nada sobre isso na descrição do apartamento. O casal registrou um boletim de ocorrência na Delegacia Sede da cidade e entregou a câmera às autoridades. A polícia irá analisar se as imagens estão armazenadas, foram vistas online ou se foram vazadas.

Após o episódio, o casal conversou com o G1 e se mostrou bastante preocupado. Segundo o analista de sistemas, que prefere não se identificar, a dupla se preparou muito para a viagem, que acabou sendo uma grande decepção. “Deixamos de viajar no réveillon para viajar no feriado de forma mais tranquila, porém, nossos planos foram frustrados. O que posso dizer neste momento é que ainda estamos muito assustados e constrangidos com a situação”, relata.

Com o equipamento apreendido, os responsáveis pelo Instituto de Criminalística começaram a investigação. O G1 tentou contato com o dono do imóvel, mas todos os números foram bloqueados e, segundo a polícia, ele ainda não foi localizado. “Não sabemos o que foi filmado e onde pode estar armazenado o conteúdo das imagens. A minha maior preocupação é com a situação psicológica da minha noiva, que está fragilizada com tudo o que aconteceu”, lamenta.

Abalada, a namorada dele também falou conversou com o G1. “Nunca imaginei passar por uma situação como essa em minha vida. Sou uma pessoa bastante reservada e estou aterrorizada, mal consigo dormir ansiosa pelo resultado da investigação. Eu só queria ter um feriado de tranquilidade junto ao meu noivo e, agora, enfrento o pesadelo de não saber até quanto minha intimidade foi violada. Confio no trabalho na polícia e vou tentar tocar minha vida e retomar meu trabalho”, diz.

A empresa Airbnb, especializada em hospedagens pela internet, decidiu ressarcir o valor gasto pelo casal de turistas. Eles pagaram R$ 922,37 por quatro diárias no Condomínio Edifícios Blue Moon e Blue Sky. O Airbnb ainda informou que baniu permanentemente o anfitrião da plataforma assim que soube do ocorrido. A empresa garante que as regras são claras ao proibir câmeras em quartos ou banheiros. Caso estejam em outros locais da casa, essa informação deve ser divulgada no anúncio.

Segundo a advogada do casal, Cátia Menecatte, a empresa informou que seus clientes receberão o ressarcimento entre cinco e sete dias. A decisão foi tomada no domingo (28). Ela explica que a empresa está analisando os outros gastos do casal, como hotel e combustível. “Eles mandaram os comprovantes. Estamos aguardando o retorno, mas não vejo nenhuma resistência”.

Cátia revela que, após o ocorrido, o casal tentou entrar em contato com a empresa por meio do site e do telefone, com o objetivo de conseguir outro apartamento. Mas, como não receberam nenhuma resposta, precisaram alugar um quarto de hotel. Cátia está focada em acompanhar as investigações da polícia para entender até que ponto os direitos dos clientes foram atingidos.

A empresa ainda informou que está em contato e dando assistência ao casal desde quando este entrou em contato com a plataforma, e se colocou à disposição das autoridades policiais para auxiliar na investigação. O Airbnb informa, também, que já registrou mais de 260 milhões de chegadas de hóspedes em todo o mundo, e incidentes como esse são extremamente raros.

Ocorrência foi encaminhada à Delegacia Sede de São Vicente (Foto: Guilherme Lucio da Rocha/G1)Ocorrência foi encaminhada à Delegacia Sede de São Vicente (Foto: Guilherme Lucio da Rocha/G1)

Ocorrência foi encaminhada à Delegacia Sede de São Vicente (Foto: Guilherme Lucio da Rocha/G1)

Todos os Direitos Reservados a(o) criador(a) deste conteúdo. Acesse o link original.

Siga e curta-nos!